Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de uma mulher feliz

Diário de uma mulher feliz

Carta de amor

O que acham de um livro de cartas de amor?

A primeira carta:

"Começo aqui,
No momento que sei que não te encontrei. Já me tinha deparado contigo em outras existências. Outros empurrões. Outros safanões. Outras festas. Outros deleites.
Não me eras. Não me és. Pertences ao Universo e é Nele que deves permanecer. Persistir nessa vontade de só estar aí. Neste canto da sala. Como aqueles bibelôs dos nossos avôs. Preciosidades de porcelana rosa por toda a sala. Aliás! Por todo o espaço da casa. Tu és isso: casa. Estás por todo o lado. Respira-se o teu nome. Inalasse a tua fragrância.
Por vezes também se absorve saudade. Como um fado triste que se canta enquanto se regala o estômago com um caldo verde. É uma antítese. Enquanto se chora cantando, gozasse comendo. És isso: tempestade num alto mar maravilhosamente azul e infinito. És um prado verdejante de flores amarelinhas. Oh meu querido amor, como são amarelas as Margaridas. E como só poderias ter nome de flor. Aliás, tens todos os nomes de mulher, pois não és mais que todas as que existem, existiram ou existirão.
Sei que é meio saloio o que escrevo, possivelmente já te encontras a dormir. Mas este amor tão grande não me cabe dentro e a ti creio que também não (apesar da tua da sonolência).
Ouço Strauss e sinto-nos a dançar num largo salão. Rodopiando em nós mesmos. Como dois amantes da Disney. Como personagens de um romance delicado. De culto. O nosso amor é um oásis no meio deste areal seco onde vivemos. Atrás de máscaras que protegem a nossa vida mas que ocultam a expressão que outrora denunciava os teus finos lábios, o sorriso.
Oh Margarida, Rosa, Gerebera... Oh meu amor, como és delicadamente deliciosa. Agradável. Cheirosa. Meu campo. Meu jardim. Meu tudo.
Como comecei, sei que não te encontrei. Estavas cá. Desde sempre. O dia zero. Mas mesmo assim contamos dias, meses e um dia anos! Como se já não tivessem passado por nós muito mais de 365 dias.
Vou aconchegar-me junto a ti, nessa cama afeiçoadamente ardente. E adormecer. Mas aviso-te! Por poucas horas. Temos muito para existir. Para perpetuar e tatuar nas ruas o nosso odor de amor.
Agora descansa,
Do teu amor."

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

  • 14 de Dezembro de 2020

    14 Dezembro, 2020

    Querido diário, quase   à  dois meses que não te escrevo. Admito que vivi num corrupio (...)

  • 26 de Outubro de 2020

    26 Outubro, 2020

    Querido diário, a  vida ensinou-me que o que é bom pode demorar. Como um longo encontro de (...)

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D