Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma mulher feliz

Diário de uma mulher feliz

15 de Outubro de 2020

Querido diário,

a aceitação do corpo ainda é um tema difícil para mim. Tem os seus dias. Há dias que me sinto uma princesa outras o sapo. 

Balança muito se a balança diz 51 ou 52 kgs. Um quilo! É ridículo eu sei. Até já não me lembro da idade que tinha quando pesei tão pouco. Provavelmente uns 25 anos, não sei. 

Acumularam-se rituais tóxicos, relações igualmente tóxicas que só me fizeram engordar e chegar aos 65 kgs (isto à cerca de 2 anos). O meu nervosismo era de tal ordem nessa fase da minha vida que desenvolvi uma doença auto-imune (urticária). Demorei, pelo que me recordo, um ano a a combater. Uma luta que meteu cortisona. Inchei, não me reconhecia. E só a afastar-me dessas crenças e relações entranhadas é que consegui, até hoje, vencer a doença e perder quase 15 kgs.

Mesmo assim ficou uma fraca auto-estima como "legado". E é contra ela que luto todos os dias. Nesta luta não existe mais ninguém a não ser eu mesma. Os outros até podem dizer que estou magra, que estou bonita, podem encher-me de palavras mas o que importa é como me sinto e como me vejo ao espelho.

Pouco importa se peso 51 ou 65, interessa sim como me sinto com isso. Pois não acredito nos estereótipos da sociedade que uma mulher bonita é magra, esquelética, por vezes. Acredito em mulher de bem com o seu corpo. Com a sua auto-imagem.

Acredito que tenho mais problemas agora ao espelho do que quando tinha 65 kgs

Estou na luta, não estamos sempre?

M

IMG_0306.jpg

 

12 de Outubro de 2020

Querido diário,

e quando tens certezas... Elas são abaladas. O destino dá-te um abanão. Na sexta não comecei a trabalhar por razões que pouco importam. Mas o que importa é que não foi o medo e que as oportunidades de trabalho estão aí.

Estou com mais tempo, pois estou à espera de respostas, então tenho mil ideias de mil tempestades e bonanças. Riso. Como sou de ondas!

O Paulo acompanha tudo com fé e serenidade. A paz que encontrei nele e que ainda me é difícil encontrar em mim. Mas cá tento, da minha forma.

Amanhã tenho intenções de ir à missa. Não vou pedir. Vou agradecer. Pelo Paulo, pela minha irmã, pela Sofia, pela D. Fátima, pelos meus pais, pelo sol, por tudo. Por tudo o que me incendeia e ainda me faz vibrar. Não quero voltar à dor. À depressão. 

Ainda existe festa dentro de mim, querido diário.

Tenho pensado muito na Dra Marta. Fantástica terapeuta. Mas eu acho que isto acontece com todas as minhas relações, seja qual o tipo for, apego-me e depois sinto-me triste quando percebo que a relação não é recíproca. Nunca mais soube dela. Não podemos ser amigas. Ou ela seguir o meu blog. Sinto que nunca acreditou verdadeiramente em mim. Não desceu aos meus demónios comigo, como dizia. É excelente. Não lhe tiro o mérito de me ter salvo. Só não ficou como pensei que ficaria. Seria justo também para ela? Acharia ela que era a altura de nos separarmos terapeuticamente? Nunca saberei.

Boa noite

M

07 de Outubro de 2020

Querido diário,

Existem dias que são como murros no estômago. Hoje eu e o Paulo descemos das nuvens pois percebemos a realidade: não somos prefeitos! Nem como casal, nem como pessoas. Não existe perfeição e é aí que reside o encanto. 

Sentamo-nos na cama, um pouco frustrados, com uma dose de medo de perder, mas falamos sem tabus. Sem muralhas. E foi aí que senti-me ainda mais perto dele. Resolvemos (pois tudo tem solução) e os "meus" olhos cor de mar voltaram a brilhar.

Percebi igualmente a importância dos erros passados e foi tão bom errar antes e não agora. Não cair no mesmo! Saber usar esses "descuidos" a meu favor. 

Sou certamente uma mulher mais feliz desde que conheço o Paulo e, quanto mais o percorro, mais feliz sou. Mas não só pelo que acrescenta, mas pelo que me ensina. Não impõe. Não exige. E eu livremente cresço. Todos os dias me sinto mais mulher. Mais autêntica. Mais capaz.

E por falar em capaz, querido diário, mudei de trabalho. Começo na sexta-feira. Primeiro voltei a dramatizar. Depois percebi que na vida temos que facilitar. Relaxar. E deixar fluir. E sinto isso mesmo, entrei no modo "fluir". Seja como o Universo quer que seja. Cabe-me dar o meu melhor, de resto, não poderei fazer mais nada. Por isso porquê sofrer? Porquê? Para quê? Relaxar, é a palavra de hoje.

R-E-L-A-X-A-R

M

 

a876a07b-546a-4757-994b-37aa24d92f40.JPG

 

 

20 de Setembro de 2020

B02FC9E5-3A17-498F-A78C-9C16C4E2D3E7.jpeg

 

Querido diário,

sem dúvida o amor resgata-nos. Seja qual o tipo de amor que for! 

A madrugada de sexta foi terrível para mim. Desci ao lado mais negro de mim, raspei as paredes, berrei a Deus! Pedi a morte em silêncio enquanto ele me olhava com ternura. 

Não encontro uma resposta. Ou melhor, existem várias hipóteses que não estou preparada para partilhar! A verdade é que o Paulo esteve ao meu lado até eu cair exausta e de lágrimas no rosto.

Sermos vulneráveis ao pé de quem amamos é um ato de coragem. Não tenham dúvidas. Mas ser vulnerável ao lado dele, quase, pela primeira vez. Deixou-me insegura. Absolutamente perdida por um sábado que passei a curar a dor. Passei-o a dormir ao lado dele, quando não era esse o combinado. Mas mais uma vez a sua inteligência emocional fê-lo ficar a contemplar-me enquanto dormia da dor.

Quando finalmente repus energias só tive vontade de o tocar e sentir. Um fervor que não sei de onde veio mas que sarou qualquer ferida que eu tinha. Um amor milenar, como já referi. 

Ele é a minha pessoa, estou em casa. Dia 1000000000000♥️✨

M

 

 

07 de Setembro de 2020

8F45D125-A729-40C1-8998-C9B95A80D381.jpeg

 

Querido diário, 

isto de ser “o diário de uma mulher feliz” engloba também estes dias. Dias em que o sol brilha lá fora, aquece-nos e quase nos derrete mas por dentro está um nadinha desarrumado.

Estar desarrumado não significa que não seja feliz, estar um pouco desorganizado diz-me que já esteve organizado e por um espaço pequeno de tempo eu o arrumarei. 

Ser feliz dá trabalho. Aliás, na minha opinião dá mais trabalho que ser triste. Eu já fui integralmente triste, já atravessei poços escuros de depressões (acho que me dá o direito de falar). 

Estar deitada a chorar desgasta mas estar de pé, roupa engomada e olhar para a frente custa tão mais quando o coração quer voltar para aquela horizontalidade. 

Ter a percepção destes dois mundos que vivem dentro de mim é um domínio imenso é incrível que adquiri á pouco tempo. Saber que estar triste não é o estado em que vou ficar , mas uma transição, alenta-me.  

Hoje não estou triste, estou ansiosa. O calor, situações familiares e uma noite mal dormida. Um cocktail para umas horas mais complicadas. Como sempre recorri á meditação para acalmar o peito e obviamente, que ajuda. O Paulo também é um querido e a minha “Rocha”. Ouve-me, melhor, escuta-me. Estas semanas que estamos a passar juntos têm sido, como já verbalizei, muito importantes para o nosso crescimento enquanto casal. Enquanto equipa, como brincamos por vezes. Ele é lindo. E um dos alicerces! 

Diário, continuo por aqui.

M

 

20 de Julho de 2020

Querido diário,

por vezes temos que ver de longe para entender. Perceber que quando nos atacam estão na verdade a atacar-se. E o que há a fazer? Resguardar-nos e cuidar do nosso centro para não descentrar. 

O que nos apontam, muitas vezes não está em nós, está nos outros. Somos um género de espelho. Cabe-nos não alimentar. E o problema desta vez foi que alimentei e ao fazê-lo feri-me e feri os outros. 

Já pedi perdão e disse que amava. Mas só o tempo resolve. 

Querido diário, sou de alguma forma, de igual modo, abencoada. Ontem conheci uma mulher incrível. Sem querer vomitei as minhas angústias e medos. Mais uma vez fui vulnerável. E é essa vulnerabilidade que me esta a fazer crescer. Tomar consciência de quem sou e para onde quero ir. 

Com amor,

M

14 de Julho de 2020 - II Parte

Meu querido diário,

é a segunda vez que te falo hoje. Mas que dia ambíguo! Acordei cansada, mas com tanto amor no coração. Acabei o dia exausta e com o coração inseguro. Sim uma mulher feliz também pode vacilar. Não há mal em ser vulnerável. Só os fortes são capazes.

Hoje as roupas não serviam o meu corpo. Era eu quem servia as roupas. Olhava-me e via-me disforme. Que pecado! Como a minha terapeuta verbalizou "Não andamos para trás, no máximo estagnamos". E foi isso mesmo, estagnei hoje. Sobrevivi. Em vez de deixar o sol bater-me nas sardas. Vesti a roupa mais larga que tenho, com medo das minhas formas. São tão belas, eu sei. Foi preciso falar contigo, meu querido, para me sentir aliviada. És o meu novo amigo e espero que estejam a gostar de nos ler.

A aceitação do corpo na vida é um processo diferente para todas as pessoas. Para mim é um espaço de tempo que dura desde sempre. Agora, aos 32 anos estou perto de me sentir mais plena. Mais feliz.

O amor que sinto que o meu namorado tem comigo, como espelho, ajuda e muito. A aceitação do outro não deve ditar a nossa vida, mas é tão bom quando alguém nos aceita como somos. Com as nossas imperfeições. Com as nossas particularidades. E mais. Quando com o passar dos dias parecem cada vez mais apaixonados pela nossa luz, que vêem através de uma sombra. Que já falei, cá está e estará, mas é cada vez mais dominada.

Quanto mais falo contigo meu querido diário, melhor me sinto. Estou a ouvir uma música cantada pelo Salvador Sobral e o António Zambujo - "Só um beijo". É uma óptima forma de ainda hoje voltar ao meu centro. Pois há dentro de nós sempre um lugar de salvação. Onde somos pais, irmãos, amigos de nós próprios. E sem "pena" de nós próprios cuidamos da nossa essência.

Uma boa noite,

M

 

 

Dia 14 de Julho de 2020

Querido diário,

vou falar-te de amor. O amor que tenho em mim. O amor que sinto numa relação. Tive inúmeras mortes e renascimentos. Amei intensamente algumas pessoas. Mas como te contei ontem, procurava as coisas "erradas". Procurava aprovação, reconhecimento, atenção. E do outro lado procuravam mudar a minha essência.

Hoje estou mais alerta. Abri-me ao amor de novo, mas já com um maior amor-próprio. Um maior autoconhecimento. Um recorrer à bagagem de uma forma construtiva e não destrutiva. 

Sinto-me capaz de amar o mundo. De perdoa-lo. Aceita-lo. Não o negar. Entrego o que sou, sem medo, mas com cautela. As cicatrizes deixam marcas. Sabes querido diário, elas, mal geridas dentro de mim, podem boicotar o meu presente e por consequência o meu futuro.

Abro-me totalmente ao amor, querido diário. Dou e sou retribuída na mesma medida. Sem falsas promessas, sem pressa. Abraço as sombras do outro, desço com ele ao fundo e seguimos na luz.

Hoje sinto-me assim: amada e com amor.

Com amor,

M

52057b7e-0247-40e7-8a47-14b1782d6fc4.jpg

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

  • 15 de Outubro de 2020

    15 Outubro, 2020

    Querido diário, a  aceitação do corpo ainda é um tema difícil para mim. Tem os seus (...)

  • 12 de Outubro de 2020

    12 Outubro, 2020

    Querido diário, e  quando tens certezas... Elas são abaladas. O destino dá-te um abanão. (...)

  • Para ti meu amor

    07 Outubro, 2020

    Meu amor, porque mereces todos os dias uma ou duas palavras que te encham a alma. Índole (...)

  • 07 de Outubro de 2020

    07 Outubro, 2020

    Querido diário, Existem dias que são como murros no estômago. Hoje eu e o Paulo descemos (...)

  • 24 de Setembro de 2020

    24 Setembro, 2020

    Querido diário, há  momentos em que queremos desesperadamente fugir. Não é preciso ter (...)

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D